Últimas Notícias

18/03/2017

Mulher perde controle de carro e bate contra trator do Depasa, na Avenida Ceará

Por

Um acidente deixou o trânsito lento e pesado para quem trafegou na Avenida Ceará no início da noite de quinta-feira (16). A motorista de um Ford Ka de placa QLY 0210, que não teve no nome revelado, colidiu de frente com um trator que prestava serviço ao Departamento Estadual de Pavimentação e Saneamento (DEPASA). Apesar do estado que ficou o automóvel, a mulher não sofreu nenhum arranhão.

Homens do Depasa estavam trabalhando no rompimento de uma adutora no momento da colisão. A chuva caia na hora do acidente, porém, a avenida estava sinalizada nas proximidades da sede do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Possivelmente, a falta de atenção da condutora teria ocasionado o incidente.

“A motorista não viu, talvez pelo grande fluxo de carros, que o pessoal estavam trabalhando aqui. Lamentavelmente o prejuízo vai ser grande para ela, mas, o importante é a sua vida. Essa saiu ilesa”, disse o estudante Carlos Eduardo que esperava o ônibus no momento do acidente.

Não demorou muito e o trânsito ficou parado na altura da TV Rio Branco. Carros, motocicletas e ônibus aguardaram a chegada da Ciatran (Detran/AC) para desafogar a região. Ruas paralelas foram usadas para que os motoristas saíssem daquela situação. Apenas os ônibus permaneceram no local tendo em vista que as ruas são estreitas.

Alunos que teriam destino às universidades abandonaram os coletivos. Um cadeirante foi retirado do ônibus da Ufac. Em questão de minutos, os próprios motoristas aguardavam nas calçadas a remoção do carro que deixou a avenida sem trafegabilidade. Vale salientar que ninguém ficou ferido.

(Texto e imagem por Folha do Acre)

Justiça decreta bloqueio de até R$ 1 bilhão de suspeitos da 'Carne Fraca'

Por
A Justiça Federal decretou o bloqueio de até R$ 1 bilhão de 46 pessoas investigadas na Operação Carne Fraca, que apura irregularidades na fiscalização e na comercialização de carnes.

Segundo a Polícia Federal, fiscais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) recebiam propina para liberar licenças sem realizar a fiscalização adequada nos frigoríficos. A investigação indica que eram usados produtos químicos para maquiar carne vencida, e água era injetada nos produtos para aumentar o peso.

As carnes irregulares eram vendidas no Brasil e no exterior. Há também casos de papelão em lotes de frango e carne de cabeça de porco em linguiças.

Ao todo, 22 empresas são investigadas na operação, das gigantes JBS e BRF – que controlam marcas como Seara, Perdigão e Friboi – a frigoríficos menores como Master Carnes, Souza Ramos e Peccin. As autoridades não detalharam quais irregularidades foram cometidas por cada empresa.

As empresas afirmam que estão colaborando com as investigações e negam adulteração nos produtos.

Há ainda a suspeita de que os partidos PP e PMDB eram beneficiados com propina. O PMDB informou que desconhece o teor da investigação, mas não autoriza ninguém a falar em nome do partido. Em nota, o PP disse que desconhece o teor das denúncias e que "o partido apoia minuciosa investigação e o rápido esclarecimento dos fatos".

Foram emitidos 38 mandados de prisão - 34 contra funcionários públicos. Ao menos, 20 foram presos pela PF nesta sexta-feira (17), dia em que a operação foi deflagrada.

Ao todo foram expedidos pela Justiça Federal, 309 mandados de prisão preventiva, de prisão temporária, de busca e apreeensão e de condução coercitiva - quando o investigado é levado para depor.

A Polícia Federal deve passar um balanço da operação a partir de segunda-feira (20).

Escuta telefônica

O gerente de Relações Institucionais e Governamentais da BRF, Roney Nogueira dos Santos, foi preso na madrugada deste sábado (18) ao chegar ao Aeroporto de Guarulhos.

Durante as investigações, a polícia interceptou ligações telefônicas de Roney Nogueira, que tratavam de pagamento de propina a Dinis Lourenço, chefe do Departamento de Inspeção do Ministério da Agricultura em Goiás.

A prisão de Dinis também foi decretada.

De acordo com os investigadores, Roney Nogueira pediu a Dinis que interferisse para que a unidade da BRF na cidade de Mineiros, em Goiás, não fosse suspensa. A unidade produz carne de frango e peru e é identificada nos documentos apenas como "fábrica da BRF em Mineiros".

A polícia afirma que tinha sido descoberta na fábrica uma contaminação com a bactéria salmonella, que pode causar problemas de saúde e, em alguns casos, provocar morte.

Uma conversa gravada entre Roney e André Baldissera, diretor da BRF, também preso na operação, indica que Dinis Lourenço pediu apoio em uma campanha eleitoral para não suspender a unidade.

Roney: Eu vou contar o que ele pediu. Aí ele pediu o seguinte que hoje, ele tá, o Dinis tá pra assumir como o superintendente. Porque a bancada que cuida aqui do Ministério da Agricultura é do PDT. E para ele ficar como superintendente ou ficar ou ficar no SIPOA ele tem de dar resultado para a bancada do PDT. Ele pediu apoio da BRF aí nas eleições municipais, tá.

André: Ah, vamos fazer.

Roney: Agora eu vou cobrar ele. Entendeu. Se ele quer a minha ajuda, ele vai ter que bater no peito e conseguir isso aí pra gente. E se não conseguir, eu não consigo nada. Entendeu?

André: Essa é uma notícia muito boa.


SIPOA é o departamento do Ministério da Agricultura responsável pela fiscalização. Não há informação no documento se o apoio político foi efetivado, mas, segundo o juiz Marcos Josegrei, a unidade de Mineiros não foi fechada, pelo que tudo indica, pela influência de Roney Nogueira e André Baldissera.

Neste sábado, a fábrica amanheceu fechada.


(Texto e imagens por G1)

17/03/2017

Família do Acre cai no conto do emprego e vive à mingua no PR

Por
Uma família de acreanos recorreu à imprensa do Paraná para denunciar que foram deixados à sorte por um homem que contratou o marido de Vanderlúcia Benjamim de Azevedo, que é caminhoneiro, para trabalhar na cidade de Santa Isabel, no oeste daquele Estado.


O caminhoneiro estava em Rio Branco quando recebeu uma proposta de emprego mas o contratante não cumpriu o combinado e a família ficou sem saída, pois, segundo seus relatos, deixaram todos os móveis, roupas e calçados, pensando que conseguiriam voltar para buscar, mas como o marido dela não conseguiu o emprego, isso não foi possível.

Há um mês eles estão morando em Cascavel, na casa de um pastor que os ajudou cobrando aluguel muito baixo e as únicas coisas que eles têm são as roupas que trouxeram nas malas. Alguns utensílios da casa são de doados e mesmo assim as nove pessoas que moram lá, precisam de ajuda.

*As informações são do jornal CGN.

(Texto e imagenm por Ac24Horas)

Polícia prende suspeito de matar e acorrentar mulher à cama em São Paulo

Por
Corrente usada para prender a vítima à cama em Rio Preto (Foto: Marcos Lavezo/G1)

A Polícia Civil prendeu nesta sexta-feira (17) um suspeito de ter matado uma mulher que foi encontrada seminua e acorrentada à cama em uma chácara em São José do Rio Preto (SP). O crime aconteceu no domingo (12). A prisão é temporária e vale por 30 dias.

O suspeito, identificado como Juvenal Pereira dos Santos, de 47 anos, foi preso próximo à chácara onde mora e aconteceu o crime. No local, ele morava com outro homem, de 64 anos, que está desaparecido desde o dia do crime e também é considerado suspeito pela polícia.  Apesar de negar ser o autor, para a polícia foi Juvenal quem matou Simone de Moura Facini Lopes, de 31 anos.

“Várias coisas relacionam ele ao crime. O suspeito é dono da corrente, com qual a vítima estava amarrada. Ele é dono dos cadeados. Coisas que foram passadas pela polícia não estão batendo. A arma do crime pertence ao suspeito. Todas as provas apontam para ele até o momento. Juvenal alega que é o outro suspeito o autor do crime, mas fora a alegação não tem nada que relaciona o homem desaparecido ao crime, apesar da carta de amor encontrada”, afirma o delegado Alceu Lima de Oliveira Júnior.

No dia do crime, Juvenal disse para a polícia que passou o dia fora de casa, em Bady Bassitt (SP), ajudando a esposa a fazer uma mudança. Policiais militares foram até a cidade e a mulher teria confirmado o fato. Por isso, o principal suspeito passou a ser o homem que morava com ele e está desaparecido. Mas a polícia nunca deixou de descartar Juvenal como suspeito, que tentou fugir quando foi preso nesta sexta.

“Foi solicitada a prisão temporária do investigado. Ele foi localizado, estão sendo checadas algumas informações. Ele foi localizado nas proximidades da chácara. Não foi a primeira vez que Juvenal tenta fugir da gente”, afirma o delegado. O suspeito foi levado para a cadeia de Catanduva (SP).

O crime

A vítima frequentava a chácara, onde foi encontrada morta e acorrentada à cama, há cerca de quatro meses. Segundo a família, Simone ensinava o homem de 64 anos, que está desaparecido, a ler e a escrever. No domingo (12), dia em que foi morta, ela daria aula para ele de ensino religioso.

Segundo os familiares, Simone saiu de casa às 11h e, no final da tarde, ainda não tinha voltado. A família ficou preocupada, e o marido foi até a chácara, mas o crime já tinha acontecido.

De acordo com o boletim de ocorrência, Simone estava seminua e foi presa com correntes que prendiam pés e mãos, todas fechadas com cadeados. A vítima ainda tinha ferimentos graves na cabeça. Uma marreta com marcas de sangue, possivelmente usada no crime, foi apreendida.

Segundo a polícia, Juvenal, que também mora na casa, foi quem chegou primeiro na cena do crime e chamou a polícia. Ele entregou aos investigadores a marreta. Já o aposentado que recebia a ajuda de Simone não estava no local e continua desaparecido. A perícia científica foi para o local junto com os primeiros policiais e coletou materiais que podem ajudar a identificar o autor do crime.


Texto e imagens por G1

Ministério anuncia afastamento de 33 servidores envolvidos na 'Carne Fraca'

Por
O secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Eumar Novacki, anunciou nesta sexta-feira (17) que 33 servidores da pasta foram afastados por envolvimento no esquema apurado pela Operação "Carne Fraca", da Polícia Federal.

Novacki disse ainda que, embora a carne brasileira esteja presente em cerca de 150 países, há "receio" de fechamento dos mercados dos Estados Unidos e da União Europeia e, diante disso, o governo definiu argumentos "mais que contundentes" para rebater "qualquer tipo de suposição" sobre a qualidade da carne.

A operação, deflagrada nesta sexta, investiga o envolvimento de fiscais do ministério em um esquema de liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos.

Em dois anos de investigação, detectou-se que funcionários de superintêndencias regionais dos estados de Paraná, Minas Gerais e Goiás recebiam propina para facilitar a produção de alimentos adulterados, emitindo certificados sanitários sem qualquer fiscalização efetiva. Alguns dos funcionários estão entre os detidos na operação.

"O ministro [Blairo Maggi] determinou o afastamento de todos os servidores envolvidos. [São] 33 servidores que estamos instaurando procedimentos. [...] Daremos suporte à Polícia Federal para informações e estamos tomando todas as medidas administrativas e informando o Ministério Público Federal", afirmou Novacki.

De acordo com o ministério, o esquema fraudou mortadela, salsicha e carne de aves. Além disso, há suspeita de fraudes em carne bovina e em rações para animais.

Estabelecimentos interditados

A operação da Polícia Federal envolveu grandes empresas do setor, como a BRF Brasil, que controla marcas como Sadia e Perdigão, e também a JBS, que detém Friboi, Seara, Swift, entre outras marcas, mas também frigoríficos menores, como Mastercarnes, Souza Ramos e Peccin, do Paraná, e Larissa, que tem unidades no Paraná e em São Paulo (leia mais abaixo as versões das empresas).

Ao todo, 21 estabelecimentos estão sob suspeita e, segundo o Ministério da Agricultura, três foram interditados em razão da operação desta sexta:

- um da BRF, em Mineiros (GO), que produz carne de aves;

- um da Peccin Agro Industrial, em Curitiba (PR), que produz salsicha e mortadela;

- outro da Peccin, em Jaraguá do Sul (SC), que também produz salsicha e mortadela.

O governo federal informou que criará uma "força-tarefa" para inspecionar esses estabelecimentos interditados. Além disso, os produtos já foram recolhidos nesses locais e a produção foi paralisada.

'Fatos isolados'

Eumar Novacki avaliou, ainda, que o esquema investigado pela Polícia Federal não é um "fato cotidiano", mas, sim, "fatos isolados que não representam a postura geral" do ministério.

Segundo o secretário-executivo, o episódio deixou o governo "indignado" e "muito contrariado" porque as investigações causam "dano à imagem".

O secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Eumar Novacki, durante entrevista nesta sexta (17) (Foto: Gustavo Garcia/G1)

Em outro trecho da entrevista desta sexta, Novacki, disse: "Nós queremos deixar claro que nós não aceitamos esse tipo de conduta. Iremos tomar todas as providências para punir aqueles que desviaram a conduta, e vamos trabalhar para que isso não volte a acontecer."

Ao avaliar a operação desta sexta, o secretário-executivo do Ministério da Agricultura disse, ainda, que, embora o sistema de fiscalização da pasta seja "robusto", "nenhum sistema está livre de má índole".

"Eu preciso reforçar que o sistema de vigilância sanitária no Brasil é um sistema consolidado, robusto e aprovado por inspeções internacionais. Ou seja, nosso sistema funciona. Agora, nenhum sistema está livre de má índole. Se você tem uma pessoa atrás desse sistema operando com segundas intenções, haverá falhas. Mas nós estamos tomando as medidas para tornar cada vez mais difícil a fraude", disse.
O secretário-executivo do Mapa, Eumar Novacki, sobre Operação Carne Fraca (Foto: Gustavo Garcia/G1)

Versões das empresas

A JBS informou em nota que não houve medida judicial contra os executivos da empresa e que a sede da companhia não foi alvo da operação. Além disso, acrescentou que atua, assim como suas subsidiárias, "em absoluto cumprimento de todas as normas regulatórias em relação à produção e a comercialização de alimentos no país e no exterior e apoia as ações que visam punir o descumprimento de tais normas."

"A JBS no Brasil e no mundo adota rigorosos padrões de qualidade, com sistemas, processos e controles que garantem a segurança alimentar e a qualidade de seus produtos. [...] A Companhia repudia veementemente qualquer adoção de práticas relacionadas à adulteração de produtos – seja na produção e/ou comercialização - e se mantém à disposição das autoridades com o melhor interesse em contribuir com o esclarecimento dos fatos."

A BRF disse que está colaborando com as autoridades para o esclarecimento dos fatos. A companhia reiterou que cumpre as normas e regulamentos referentes à produção e comercialização de seus produtos, possui rigorosos processos e controles e não compactua com práticas ilícitas.

O G1 buscava contato com as demais empresas citadas na operação.

Texto e imagens por G1

13/03/2017

Travesti chama homem de ‘bofe escândalo’ e recebe 10 tiros

Por

Uma travesti foi atingida por cerca de dez tiros de arma de fogo na noite de sábado (5), no bairro da Ribeira, em Salvador. De acordo com populares, o crime ocorrido na localidade conhecida como Largo do Papagaio foi motivado por um elogio entre a vítima e o autor dos disparos.

Ainda de acordo com as testemunhas, a travesti identificada como pelo apelido de Cháina teria chamado o agressor de “bofe escândalo ”. Revoltado, ele foi até o carro e pegou uma arma e efetivou os disparos. As pessoas lamentaram e se mobilizaram para salvar o travesti. Uma equipe do SAMU atendeu a vítima e a encaminhou ao Hospital Geral do Estado (HGE), onde se encontra em estado grave.

Ferida no pescoço e barriga, Cháina foi socorrida e encaminhada ao Hospital Geral do Estado (HGE), onde permanece internada.

(Por AmazoniaAqui)

Idoso leva 7 carteiras de trabalho para sacar FGTS e descobre não ter saldo

Por
Geraldo Medeiros mostra as caterias de trabalho de 40 anos de contribuição (Foto: Murillo Velasco/G1)

O aposentado Geraldo Medeiros, de 72 anos, foi até uma agência da Caixa, nesta segunda-feira (13), em Goiânia, e descobriu que as empresas onde ele trabalhou como servente de pedreiro, ao longo de quase 40 anos, nunca fizeram depósitos do FGTS. Com sete carteiras de trabalho na mão, o idoso diz que ficou decepcionado ao consultar o saldo das contas inativas e ver que não tinha nada para receber.

“Eu trabalhei como servente em sete empresas na minha vida. Muitas delas faliram e nem pagaram meus direitos. Agora, é procurar alguma ajuda, um advogado, pra tentar descobrir se tem um jeito de reivindicar. Muito ruim saber que a gente serviu tanto tempo um lugar e, na hora do ‘vamos ver’,  de receber um dinheiro para dar aquela aliviada nas contas, ficar na mão”, disse ao G1.

O movimento nas agências da Caixa foi tranquilo nesta manhã, na capital. Ao contrário da última sexta-feira (10), as senhas de atendimento foram distribuídas sem grandes filas na agência central do banco, na Alameda dos Buritis, no Centro. As agências funcionam com atendimento exclusivo para assuntos de FGTS das 8h às 10h até a terça-feira (14).

De acordo com a assessoria de comunicação do banco, a partir da quarta-feira (15), os beneficiários poderão continuar recebendo atendimento sobre o saque das contas inativas, mas durante o expediente normal do banco, entre as 10h e 16h, de segunda a sexta-feira.

Geraldo conta que foi atendido em menos de 5 minutos na agência central da Caixa. “Foi bem rápido. Vi gente que demorou um pouco mais quando veio na semana passada. Ainda bem que não demorou, porque esperar muito tempo e descobrir que não tem dinheiro nenhum ia ser ruim”, desabafou.

Diferente do aposentado, o vigilante desempregado Miguel Martins foi até a agência e descobriu que tem mais de R$ 800 para receber. Segundo ele, o dinheiro já está na conta dele, que descobriu que o cartão da conta está vencido.

“Vou ter que ir até a minha agência mesmo para só pegar o cartão novo e sacar. Pelo menos já tenho um dinheiro garantido lá, já é meu”, brincou.

Miguel Martins diz que vai receber mais de R$ 800 de FGTS, em Goiás (Foto: Murillo Velasco/G1)

Cronograma de saques

O calendário para o recebimento dos valores foi divulgado no último dia 14 de fevereiro. Desde sexta-feira, podem sacar os benefícios os trabalhadores que nasceram nos meses de janeiro e fevereiro. Pessoas nascidas em março, abril e maio poderão sacar em abril.

Quem faz aniversário em junho, julho e agosto, poderá sacar em maio. Nascidos em setembro, outubro e novembro poderão fazer o saque em junho. Em julho, deverão sacar os nascidos em dezembro.

A Caixa ressalta que não é preciso uma "corrida às agências", pois o resgate pode ser feito até o mês de julho, quando se encerra o calendário para todos os aniversariantes do ano.


Regras

Têm direito ao saque os trabalhadores que foram dispensados por justa causa ou pediram demissão até 31 de dezembro de 2015.

Antes, os valores das contas inativas só podiam ser sacados por quem estivesse desempregado por, no mínimo, três anos ininterruptos. Agora, quem está atualmente empregado passa a poder sacar o valor de uma conta inativa, desde que o afastamento do emprego anterior tenha ocorrido até o fim de dezembro de 2015.

O trabalhador, no entanto, não pode sacar o FGTS de uma conta ativa, ou seja, depositado pelo empregador atual.

O gerente regional da Caixa Econômica Federal em Goiás, Jonatas Ferreira de Oliveira, explicou quais são dos documentos necessários para o saque. "Os trabalhadores devem ir até uma agência com a Carteira de Trabalho. Caso não possua, pode apresentar o termo de rescisão contratual", disse.

Segundo ele, todos os trabalhadores que foram demitidos ou pediram demissão até 31 de dezembro de 2015 terão direito ao saque. "Vale ressaltar que apenas nesses casos os trabalhadores serão enquadrados. Quem está encostado e recebe auxílio-doença, por exemplo, ainda tem o contrato considerado como vigente e não tem direito. Já quem foi demitido ou pediu para sair da empresa, esse sim vai receber", explicou.

(Texto por G1)

Fuga causa acidente fatal na Floriano Peixoto

Por
Na tarde desta segunda-feira (13), um assalto a uma caminhote resultou em um acidente fatal na rua Floriano Peixoto, próximo ao Instituto São José, em Rio Branco. De acordo com informações, um bandido teria sequestrado um homem em uma caminhonete, durante a fuga o bandido fez o dono da caminhote de refém e fez um trajeto passando pela Rua Floriano Peixoto até colidir com um motociclista que trafegava próxima ao colégio Instituto São José e também em outro carro que passava pelo local no momento até a caminhonete cair em um barranco.

(Motocicleta e carro que foram atingidos pela caminhonete. Foto: Ismar)

Após cair no barranco, o bandido abandonou o veículo e deixou o dono dentro do carro preso às ferragens.

(A caminhonete é uma Mitsubishi L200 Trinton. Foto: Ismar)

O motociclista foi identificado como Luiz e, segundo informações, era entregador da Via Rolamentos. Duas viaturas do SAMU e 1 viatura dos bombeiros foram acionadas para atender a ocorrência, ao chegarem, identificaram que Luiz não teria resistido aos ferimentos e veio à óbito no local. O dono da caminhonete ficou com alguns ferimentos. O trânsito no local ficou totalmente parado.

(Motociclista não resistiu aos ferimentos. Foto: Ismar)

(Texto por Acre Online)

Uma pessoa morre e outra fica ferida após carro cair em rio, em Rondônia

Por
Um grave acidente ocorrido no município de Mirante da Serra, em Rondônia. De acodo com informações passadas pela Polícia Militar, o motorista teria perdido o controle do veículo que conduzia, até o carro capotar e cair no rio Esmeril.


O acidente vitimou Flavio de Oliveira Nascimento e deixou o carona Francisco de Assis Moreira em estado grave. As vitimas ficaram submersa e foram retiradas do veiculo por populares que passavam pelo local, apenas Francisco de Assis consegui ser reanimado, já Flavio o motorista infelizmente não resistiu.

Francisco foi encaminhado à unidade mista de saúde de Mirante da Serra e em seguida foi transferido em estado grave para o município de Cacoal. A ocorrência foi atendida pelos Policiais Militares CB PM Albergaria e SD PM Jatobá.

*com informações de Mirante Vip.

Léo aparece sem Victor no ‘The Voice Kids’

Por

Léo Chaves, irmão e dupla de Victor, apareceu sozinho no primeiro dia de competição ao vivo do programa ‘The Voice Kids’, da TV Globo. Victor se afastou do reality show após sua esposa, Poliana Bagatini, ter acusado o cantor sertanejo de agressão. A ausência de Victor foi anunciada em 26 de fevereiro.

O apresentador André Marques não mencionou a ausência de Victor no programa e anunciou normalmente a presença de Léo Chaves e dos outros jurados, Carlinhos Brown e Ivete Sangalo.

O caso

Em fevereiro, Victor foi acusado de agredir Poliana, grávida do segundo filho do casal. A empresária prestou queixa em delegacia da Polícia Civil de Belo Horizonte. Ela realizou o exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) e, pouco tempo depois, publicou no seu perfil na rede social Instagram um post e uma carta na qual diz que pretende retomar a vida com seu marido após tê-lo acusado de agredi-la durante uma discussão no apartamento do casal. Na carta, ela confirma ter tido “um grande desentendimento familiar”, mas que “Victor não me machucou e nunca me machucaria”.

(Texto por VEJA)

Top Ad 728x90

COLUNISTAS